Os Jovens e as Novas Tecnologias – O Risco da Dependência

Internet

As novas tecnologias vieram trazer-nos possibilidades antes impensáveis. Antes de mais, a Internet, que permite partilha, pesquisa e comunicação a nível global, mas atualmente também, com a grande acessibilidade dos “smartphones”, a capacidade de estar em contacto com o mundo, literalmente, a partir da palma da mão.

No entanto, em vez de se aproveitar de forma sensata estas possibilidades, assiste-se hoje em dia a uma crescente dependência, principalmente por parte dos mais jovens, no que toca à utilização das novas tecnologias.

Basta passar pela porta de uma escola em tempo de intervalo e, quando antes se via crianças a brincar, conversar, trocar ideias ou praticar desporto, aquilo a que se assiste mais hoje é a grupos ou jovens isolados, com a cabeça pendente, de telefone na mão, a escrever mensagens, ver vídeos e partilhar fotografias nas redes sociais. Muitos destes jovens chegam ainda a casa e dividem o seu tempo entre fazer o mesmo e jogar jogos de computador.Internet

Um estudo de 2014 revelava que, num universo de jovens entre os 13 e os 25 anos, 13% mostrava dependência da Internet, enquanto que cerca de 70% eram considerados como estando em risco, evidenciando já alguns sintomas de dependência.

Claro que as novas tecnologias e as possibilidades de partilha e contacto que a Internet proporciona devem ser uma mais-valia e aproveitadas ao máximo para o desenvolvimento dos jovens, num mundo cada vez mais dominado pelas tecnologias de informação. Então, como podem equilibrar-se as coisas?…
O psicólogo Daniel Sampaio dá algumas ideias, como desligar a televisão e não permitir telefones à mesa, à hora de jantar, para que exista contacto direto entre os membros da família, ou a participação em atividades depois das aulas, como aulas de música ou desporto.

Apesar de tudo, é possível alcançar-se um equilíbrio, estando nas mãos dos pais e educadores zelar pelo bom desenvolvimento dos jovens.